sexta-feira, 25 de junho de 2010

Eis-me aqui








Eis-me aqui
A clamar o pranto que me foi dado
Do amor hoje despedaçado
Da vida que teima em não acabar

Eis-me aqui
A expressar dores do passado
Dores que vivem do meu lado
Dores que irão me abrigar

Eis-me aqui
Incrédulo e sozinho
Com trevas em meu caminho
Não terei forças para continuar

Eis-me aqui
Abandonado pela sorte
E acariciado pela morte
Para a morte
Haverei de me entregar

5 comentários:

Ábia Costa disse...

Eis-nos aqui,Diel...eis-nos aqui...

Gerson Poetinha disse...

Cara você não existe
sempre me encontro nos teus poemas

jadenadaf disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roberta Caren disse...

eu to apaixonada por cada verso que leio... parece que há mais vida neles do que nos meus pensamentos, parabéns Diel ♥

albertonorian disse...

Dói meu o coração ao ler tantas palavras sentimentais e dolorosas, você faz um jogo incrível de sentimentos, mistura amor, ódio, solidão. contenta-se com sua dor. poucos tem esse dom de transformar sentimentos em palavras, e palavras em flexas que atravessam nossos corações. Maravilhoso blog , ótimas poesias, tomarei teu blog como refugio para minhas dores. abraço amigo POETA

Related Posts with Thumbnails